Ahhh o Natal

Na ceia de natal...

-Eu não acredito que você não gosta de Natal
-Por que é tão difícil assim de acreditar?
-Sei lá. É Natal oras
-Você ganha roupas que nunca dão em você, não pode beber na festa da empresa por que seu chefe esta (mesmo a bebida sendo de graça), aquele seu tio gordo se veste de Papai Noel, ouve músicas da Simone e vê filmes natalinos... Ahhh os filmes natalinos...
-Ok. Não é tão bom assim, mas pelo menos comemos aquele peru beeem molhadinho...
-¬¬



Snow Patrol - Set The Fire To The Third Bar

Satisfação













Tenho uma confissão a fazer: Nada mais me satisfaz.
Tenho a incrível capacidade de achar sempre os mesmos problemas, fato que me acompanhou na vida profissional e principalmente na pessoal até que recentemente, e finalmente, consegui um emprego decente que me desse a real condição de verdadeiramente planejar um futuro decente.

Mas então qual é o problema? Dinheiro é tudo!

O problema é que infelizmente ter uma vida confortável daqui pra frente simplesmente não me satisfaz. Minha vida pessoal esta um lixo e meu coração esta partido e rachado em algumas partes.

Nada que o álcool e algumas mulheres não possam resolver! Haha

Já pensei em simplesmente jogar tudo pro alto e curtir como da última vez, mas não consigo e por algum motivo gosto de me flagelar com isso, simplesmente nada mais me satisfaz.
A cerveja não é igual, a velocidade não me atrai e a minha noite realmente parece não mais me agradar... Simplesmente nada mais me satisfaz.
É impressionante como Deus sabe o que faz: Se eu tivesse nascido rico provavelmente já teria morrido, pois a minha profissão e minha constante busca por algo bom talvez seja o real motivo que realmente me mantém de pé nessas horas.
Quando sofro tenho acessos de loucura, pois simplesmente não paro. Parar significa pensar e pensar significa entristecer e entristecer é cair.

Alegria, alegria, alegria...

Se eu tivesse me tornado um rockstar como era meu sonho de adolescência já teria tido um overdose nessa situação ou sei lá... Talvez eu simplesmente me acostumasse com o sexo casual, drogas grátis, guitarras altas e multidões.

Eu me acostumaria fácil com isso... ha

Acho que se eu fosse um rockstar gostaria de ser Eddie Vedder, mas invariavelmente ia acabar me tornando um Kurt Cobain. Os dois extremos do Grunge que apesar da minha idolatria por um ia acabar cedendo aos caprichos da loucura instantânea do outro.
Talvez o meu empreguinho seja melhor mesmo, mas de vês enquanto ainda sonho com a distorção no ouvido, afinal, nada mais me satisfaz. Simplesmente nada...

“... I hurt myself today
To see if I still feel
I focus on the pain
The only thing that's real ...”

Nine Inch Nails - Hurt

À minha segunda-feira














Construir não é fácil.
Uma porcentagem ínfima da população mundial tem o dom de construir carros, casas, estádios, cidades... Enfim, e uma menor ainda tem esse dom para construir com lego.
O monte de peças coloridas era a especialidade de Radamés desde que era criança. O menino fazia inveja nos colegas com seus projetos arquitetônicos gigantes e bastante coloridos.
Destacava-se em matérias como matemática na escola e isso o ajudou a tornar a sua pequena cidade de lego conhecida primeiro em casa, depois entre os amigos até que sua fama finalmente se estendeu por todo o bairro.

Isso mesmo: toooodo o bairro

Adorava perder horas naquela brincadeira estafante para alguns, mas extremamente prazerosa para ele. Gostava de chamar a cidade, de pouco mais de três metros quadrados, de Radamés Land. Uma pequena referência a Never Land de Peter Pan que era um de seus livros preferidos.
Certa vez quando o seu império cheio de cores já tinha atingido certa fama recebeu Fabiana, uma colega de escola em casa e brincaram durante toda à tarde até que ele resolveu mostrar a ela a sua maior obra prima.
Deu certo: Fabiana realmente ficou impressionada, perguntou muitas coisas, ficou estarrecida com outras respostas e fez um pedido.

-Radamés?
-Sim Fabi?
-Será que eu poso fazer uma contribuição para sua cidade?
-Claro, o que você quer fazer, uma casa, um carro, um avião, um...
-Não
-O que então?
-Quero fazer um único pilar e te peço que construa algo a partir dele

Radamés achou a proposta meio estranha, mas aceitou.

Quem em sã consciência negaria algo a ela?!

Fabiana colocou seu pilar que media pouco mais de dez centímetros e logo depois foi embora quando a mãe da moça chegou buzinando do carro e chamando-a para ir jantar.
Acenando para a família de Radamés num simpático sinal a garota e a mãe se despediram.
Radamés passou todas as suas manhãs, tardes, noites e madrugadas daquele final de semana buscando construir algo a partir do pilar que Fabiana tinha feito, tentando bolar as coisas mais incríveis possíveis para impressioná-la, mas nada saia de sua cabeça.
Rodava em volta da cidade e do pilar, feito de lego, como se estivesse numa brincadeira de dança das cadeiras e nada.

O maior gênio de lego do bairro estava em crise por causa de uma garota

Relutou, não se entregava, pensou mais uma vez e nada, pensou mais duas, três, quatro...
Era mais que um pilar de lego. Simbolizava o único desafio no lego que não foi capaz de superar, simbolizava, talvez, que não fosse mais o melhor do bairro nem o dono permanente da atenção de Fabiana em definitivo.
Foi para a cozinha triste, sentou na cadeira é só encontrou consolo num copo gelado de refrigerante com o biscoito que sua mãe havia comprado recentemente.
Disse para si mesmo enquanto a segunda, as aulas e o novo encontro com Fabi não chegava:

-Pelo menos hoje vou encher a cara de glicose



The strokes - Under Control

Trecho do texto do filme "Apenas o Fim"

-Qual foi a última vez que eu chorei perto de você?
-Essa é fácil. Show dos strokes under control.

Consuma e depois a gente vê

No shopping...

-Senhor, a escada rolante esta ruim
-Como assim?
-Hoje uma das duas deve parar para manutenção
-Então pare a que desce...
-Por quê?
-Por que os clientes têm que subir para consumir...
-E na hora de descer?
-Ahhh eles se viram com a escada de incêndio mesmo...

A pedra e o rio

Joguei minha pedra no rio e ela só quicou uma vez
Joguei minha pedra no rio e ela talvez...
Talvez ela simplesmente tenha afundado
Não é o que diz a lei da gravidade?

Odeio a lei da gravidade, mas gosto da minha pedra
Odeio seu único quicar, mas gosto de sua inanimação
Minha pedra existe há muito tempo
Pedras são milenares e tem histórias que existem antes mesmo de eu a precipitar contra o rio

Ela deveria ser uma grande rocha e hoje é uma pedra
Ela devia ser grandiosa e hoje é uma pedra
A única pedra
A minha pedra

Dentre todas as pedras que existiam na beira foi a que escolhi
Não pelas suas chances de sucesso e seu formato propício
Mas por ser uma pedra diferenciada
Uma pedra que me chamou a atenção

Talvez por que ela seja pedra
Talvez por que ela seja viva
Talvez por que ela seja inanimada
Talvez por ser a melhor pedra dentre todas as outras
Não para as outras, mas para mim

Para mim é a melhor pedra que eu já tive



O Teatro Mágico - O anjo mais velho

"Só enquanto eu respirar vou me lembrar de você só em quanto eu respirar..."

O próximo ão

Me perguntei por que eu gosto tanto dela e a resposta que obtive pode não parecer convincente para a maioria.
Sem mesmo que eu possa pra ela eu tenho que sorrir.
Ela me diverte com trejeitos ínfimos.
Quando pega o cabelo e coloca a ponta sobre os lábios fazendo de bigode, quando quase espirra e fica com raiva por eu colocar o dedo próximo ao seu nariz e principalmente quando faz coisas com aquele jeitinho de menina.

Meio Alice in wonderland...

Menina que cheira mais que a flor que ela mesma despreza, mas que atrai tantas mulheres e a faz tão especial por sua beleza.
Beleza clássica que não se vê em qualquer lugar e por isso chama tanto a minha atenção. Odiaria ter um espelho na minha frente sempre que a vejo, pois devo fazer a cara mais idiota do mundo.
No famoso livro de L. Frank Baum “O mágico de Oz” Dorothy é chamada a sala do trono e recebe a noticia:

-Sente-se minha querida. Acho que encontrei um meio de tirá-la desse país.
-E me fazer voltar ao Kansas? (ela perguntou ansiosa)
-Bem, sobre o Kansas não tenho muita certeza, pois não faço a menor idéia pra que lado fica.

Assim como Oz não sei onde esse sentimento pode me levar, mas sei que por ela estou disposto a descobrir. Por que nesse exato momento seu cheiro esta impregnado em mim e quando deito a cabeça no travesseiro só um rosto, um beijo e uma risada me vem a cabeça.
Por que por ela mudo meus costumes e prometo coisas que não prometeria a mais ninguém. Assim como o Romeu de Shakespeare que jurou a Julieta não pela lua, que é inconstante em todas as suas fases, e sim pela própria generosidade e pelo seu sentimento por ela que acreditava: sempre perduraria ao longo dos tempos.
Sou meio brigão sim e não sou muito tolerante em relação a certos tipos de situação sim, entretanto é incrível como algumas palavras de alguém com menos de 50 kg simplesmente me desmontam e podem me deixar no chão.
Não deveria ser assim, mas confesso que perdi o controle da situação e tenho algo a declarar: Estou embriagado (Sim estou embriagado!) por ela e não tenho controle sobre minhas ações.
Não posso desferir um soco, um murro, um gancho...
Já tenho meus sentidos voltados pra ela: do olfato a visão, mas sinceramente quero que escolha mesmo o que rima com o próximo ão.

Entre drinks

No bar da boate...

-Olá
-Olá
-O que é isso que você esta bebendo?
-Sex on the beach. Por que?
-Porque eu vou pedir um Lagoa Azul e vou te chamar pra nadar pelada...
-¬¬ Ta senta lá...

Zé Alguém (Parte 2)

Com a estranha ligação na cabeça José dirigiu a sua moto até o principal bar da pequena cidade.
Entrou e sentou-se na última mesa do local pedindo mais uma cerveja para a garçonete enquanto dava uma espiada nos tipos de caipira que habitavam no local.
Um senhor careca, daqueles que tem um resquício de cabelo em cada lado da cabeça, jogava sinuca com um jovem apostando a cerveja que estava à espera na ponta da mesa, uma bela moça de vestido beijava o namorado de forma quente na outra extremidade enquanto um rapaz moreno de cabelo enrolado tocava algumas músicas acompanhado por um violão no palco.
José não pode deixar de notar que o músico olhava para uma moça magra de cabelos longos que estava sentada numa mesa próxima ao palco com uma amiga e seu acompanhante.
Já estava na quarta garrafa de cerveja quando a mulher de cabelos longos sentou-se no bar sozinha. Levantou e foi falar com ela.

-Olá
-Olá
-Desculpe, mas não pude deixar de notar que você se afastou da mesa em que sua amiga esta
-Ela parece estar meio ocupada com o namorado dela... Se é que você me entende...
-Uhun. E o músico que esta no palco e te olha de um jeito tão diferente
-É uma história meio complicada
-Eu também tenho uma... Quer conversar?

Durante à hora seguinte José soube um pouco da história da moça e do cantor do bar. Ela ia se casar daqui a alguns meses, mas continuava sentindo algo pelo rapaz do palco que dizia que sempre a amaria.
A moça disse que ele era estranho: que a amava num dia, e isso transbordava dele, enquanto no outro não conseguia olha-lá nos olhos.
Saiu do bar depois de ter contado a sua história para a garota lá pelas uma da manhã. Não se importou com a pequena embriaguez, já que estava sem nenhum sono, e pegou a estrada de novo.
Pensou no quanto devia ser difícil a situação do músico que via a mulher que mais amava indo embora e o relacionamento com ela se deteriorando aos poucos pelas constantes variações de humor.
Talvez um dia ele simplesmente não fosse mais a ver e ela continuaria rondando os seus pensamentos... Talvez pudesse ser pior, talvez eles se vissem um dia e um fingiria que não conhecia o outro. Só o que denunciaria seria o coração disparado do rapaz quando sentisse o cheiro da moça...

Que fardo!

Deu graças por ter a sua moto, uma estrada e uma mulher que o amava. Três coisas que até então nunca tinham o decepcionado.
Talvez esse fosse um bom motivo para ama-lá. Ela gostava o suficiente dele para dizer isso então...
A madrugada na estrada era ótima. Vazia, e só ele parecia estar lá vendo os postes passarem um a um com as suas luzes ofuscantes.
Fechou os olhos durante dois segundos para sentir o vento frio da estrada quando a moto derrapa e ele cai ficando desacordado.

Três horas depois José acorda

Retomou a consciência e percebeu o que tinha acontecido. Primeiro mexeu as pernas, depois os braços, sempre com medo de que os seus membros não respondessem, mas seu temor acabou não fazendo sentido.
Levantou e percebeu-se bem. Um pouco dolorido, mas bem e começou a dançar.
Sim, como nos filmes em que o mocinho se da bem e uma música animada começa a tocar ele começou a dançar no canto da estrada do lado de sua Harley jogada sobre um alto gramado quando um carro passou e um senhor o olhou.
Sentiu-se ridículo... Não devia ter feito aquilo.
Levantou a moto e pensou em pra onde ir agora e só uma resposta veio a cabeça: para a minha casa e para minha mulher.
Tinha descoberto um sentido, uma resposta: Em cada quilometro rodado, no papo com a moça do bar, na tristeza do músico apaixonado, na sua queda e em sua quase morte...
Agora ele podia olhar a própria esposa nos lhos e dizer: Eu te amo.

“Foi como ver o sol... Nada que aconteça irá abalar a energia que deixou pra trás. Nada irá abalar. Nada irá.”

Cyius – Dois Sóis



Los Hermanos - Sentimental

Auto-sabotagem

No telefone...

-Oi
-Oi
-Esta certo de sairmos amanhã?
-Sim.
-Mas e no dia seguinte você não vai ter nada na faculdade?
-É verdade. Tenho que apresentar um trabalho.
-Então é melhor você estudar pra ele né?
-É.
-Nossa. O que eu acabei de fazer...
-O que?
-Acabei de dizer pra garota que eu gosto que ela deve estudar e não sair comigo.
-Risos
-Eu estava esperando por isso a tanto tempo... aff

Zé Alguém

José era analista contábil a mais de dez anos e isso nunca o incomodou.
Gostava de trabalhar com números e eles nunca o traíram. Matemática é uma ciência exata e não da margem a muitas opções: ou é isso ou não é.
A empresa onde trabalhava valorizava isso e lhe deu um cargo, com um bom salário, uma sala espaçosa e uma poltrona reclinável que ajudava com as suas constantes dores de cabeça.
Sempre que iniciava o expediente sentava na poltrona e jogava o corpo para trás pensando em coisas que importavam: o trabalho, sua casa, seu cachorro e a sua noiva que tinha ganhado a alcunha no dia anterior.
Perguntou a si mesmo por que gostava dela e não obteve uma resposta de seu subconsciente.

Mais que droga. ele nem podia dizer a si mesmo que a amava!

Levantou-se dizendo que as dores de cabeça estavam insuportáveis e requereu dispensa junto ao superior. Seu pedido foi atendido prontamente, devido ao seu histórico de bom funcionário que raramente ficava doente, e lhe foram concedidos três dias de descanso.
Foi para o estacionamento, ligou à moto Harley-Davidson e enquanto ia para casa começou a imaginar como seria a vida daqui a algum tempo. A moto não seria mais o seu veiculo de transporte principal. Se tinha uma coisa que a sua garota... namorada... noiva... Mulher não gostava era de sua moto.
Ela sempre dizia: José essa coisa foi feita para cair. Largue essa moto e veja a lei da gravidade agir... Só tem duas rodas!
Ele é claro fazia a velha piada: deixando-a no descanso, dizia que gostava de desafiar as leis da gravidade e lhe dava um abraço.
Estacionou a moto na garagem de casa, pegou um café e sentou em frente a TV.
A reportagem do dia falava sobre os inúmeros pontos turísticos que haviam na estrada que liga o seu estado ao vizinho.
Era um sinal. Não pensou duas vezes e ligou para sua noiva.

-Como assim vai viajar!? Pra onde?!
-Só quero aproveitar que não trabalharei nos próximos dias
-Aproveite comigo?!
-Você não entende. Eu só quero aproveitar alguns dias com a minha moto
-Sua moto?! E ainda por cima vai correr risco de vida?!
-Eu te ligarei todo dia... Tchau
-Não ouse desligar na minha c...

tu tu tu tu

Colocou a mochila nas costas logo pela manhã, pegou algum dinheiro no banco, encheu o tanque no posto de costume e começou a dirigir pela estrada.
O asfalto serpenteava até onde a vista podia alcançar e José conseguia ver no horizonte os caminhões que pareciam entrar dentro do sol que estava nascendo.

O calor deve estar forte por lá...

Era engraçado notar como em cada posto os caminhoneiros iam se levantando dos lugares mais improváveis possíveis para voltar a dirigir. Um saiu de baixo do veiculo, outro se recostava junto à carga de galinhas enquanto um terceiro acordava dando dinheiro para uma prostituta tão gorda que podia facilmente comer toda a sua carga de chocolate em poucos dias.
Fez três paradas naquele dia. Duas para comer, almoço e janta, e outra para visitar uma cidadezinha interiorana de onde ligou do celular enquanto tomava uma cerveja.

Tuuu tuuu tuuu

-Alô
-...
-José é você?
-...
-Me responda. Eu sei que é você.

tu tu tu tu

José não sabia por que simplesmente não tinha respondido, queria dizer uma palavra a mais que fosse mudar o que a distancia faz, mas... Nada... Só nada...


(Continua)

Na beca

Na formatura...

-Que isso...
-Que foi?
-Você esta bonita ein
-Obrigado
-Esta na beca
-Mas nós estamos de Beca... É pra foto...
-Eu sei... Não entendeu a piada? ahn... ahn... ahn...
-¬¬

Pensamentos de um muro branco mal pintado

Lá estava ela com a cabeça recostada no muro branco mal pintado.
Sabia que estava a minha espera então por que posicionava-se de maneira tão estranha e não ostentando a pose feminina de costume que tanto me atrai?
Me disse que estava com dor.
Há algum tempo me diz que esta com dores... Dores que a consomem e fazem se queixar por longos períodos, incontáveis horas e cada vez mais constantes dias. Os remédios que é obrigada a tomar fazem com que seu frágil estômago se renda a grande quantidade da droga e comece a causar dor tão intensa quanto a do primeiro motivo.
Digo que vai ficar tudo bem, mas quem sou eu para fazer tal afirmação?
Queria ser um mágico e ter uma cartola para fazer a dor cessar sempre que me pedisse, mas não tenho tais poderes. Se tivesse provavelmente jamais teria a conhecido, pois estaria viajando o mundo, ganhando dinheiro com meu poder de cura, e não há veria mesmo estando tão perto e gostando de tantas coisas em comum.
Nunca achei que fosse dizer isso, mas estou feliz por não ter o poder de voar, como o do Superman, e sim o de dizer que vai ficar tudo bem toda vez que se queixa das dores.
Isso é ser egoísta?
Não tenho vergonha de dizer que a quero mais do que qualquer coisa e acho que isso me faz meio babaca.
Que tipo de cara diz isso tão claramente sem fazer aquele joguinho de ligar ou não ligar, de ficar e não ficar, de dizer que gosta e depois não... Bom... Eu.
Minha sinceridade é posta por ela com frequência para mim dizendo que sou assim e não sei se isso é bom ou ruim. Continuo por que não gosto de jogos. Dizem que eles são de azar e quem da margem para o azar é que é o errado para mim.
Lembro de que quando era criança colocaram uma maquina caça níquel na padaria perto de minha casa.
Eu sempre colocava moedas e nunca ganhava. Cada vez que ia comprar pão perdia uma moeda para a maquina até que um dia tive a sorte grande: Joguei uma e ganhei vinte.
Vinte moedas que pareciam valer um milhão. Vinte moedas que eu daria agora para que nunca mais sentisse dor e vinte moedas que eu daria em qualquer momento da minha vida se tivesse a oportunidade de conhece - lá.
Mesmo sendo vinte moedas!
Por que existem coisas que não se compram: As caretas quando não esta fazendo nada, o jeito que fica quando tem vontade de espirrar, e não consegue, e de como ajeita o cabelo.
Ela olha para mim perto do mesmo muro mal pintado e diz “lá vem o ônibus”. Eu replico: “Entao vamos...”

Esportivo clube














Hoje estreei a minha coluna no blog Esportivo Clube a convite da minha amiga Lariza Nascimento.
Estarei postando lá noticias e opiniões que saem desse coração alvinegro sempre no dia seguinte a rodada em que o Botafogo jogar.
Então passe por lá e dê uma olhada nas noticias dos outros clubes também ok.
Deixem comentários por favor... ;)

Capitalizando felicidade

Quantos salários são necessários para calar a sua opinião?
As regras da nossa sociedade são claras e não dão margem para qualquer tipo de dubiedade. Nada funciona ou evolui sem capital suficiente para ser reinvestido em um determinado empreendimento.
Investir é a palavra da vez.
Temos que guardar dinheiro, economizar e capitalizar para comprar algo que almejamos muito, mas até que ponto conseguimos definir que um produto nos é mais essencial do que outro?
O que realmente é importante para você?
O importante é se divertir...

Certo?

Se divertir com os bordões do zorra total. Repetimos até ficarmos entediados e passarmos para o próximo.
É a instantaneidade de uma sociedade que tem pressa (Time is money) de trabalhar, ganhar, acumular e gastar.
Os fast foods são rápidos. Os carros são rápidos... E a sua vida é rápida, ou você acha que o cigarro levará alguém até os 80 anos?
Não há como sobreviver no deserto do capital sem uma boa arma de destruição em massa. Se você não pode com eles junte-se a eles e ganhe pela imposição: Eu sou mais forte do que você então terá que ceder aos meus caprichos.
É basicamente o que os nossos amigos USA fazem.
Não se constrói sucesso na sociedade capitalista sem lucro e não se constrói lucro sem trabalho.
Sim, o trabalho dignifica o homem... Então logo podemos entender que o lucro traz dignidade. O capital traz felicidade e felicidade chama felicidade.

Sacou?

Por que eu capitalista iria ficar triste por uma guerra que me da lucro? Há oportunidade na devastação e ninguém pode culpar o capitalista por tentar ser feliz.
Ora bolas, esse não é o objetivo do ser humano.
Alegria, alegria e alegria...

Espetado

No shopping...

-Que estranho
-O que?
-Tem algo diferente na sua lingua...
-É o meu piercing
-Você tem um piercing?
-Sim, por que?
-Nada. É que acho espantoso alguém com uma agulha espetada na língua...
- ¬¬

Aquele cheddar nunca mais foi o mesmo

Não lembro como tudo começou, mas me recordo bem de uma coisa: eu não era um garoto de muitos talentos até o Frog’s abrir.
Era definitivamente a melhor lanchonete da cidade com o seu interior todo pintado com cores vibrantes, cardápios e letreiros dignos de um grande designer.
Tudo parecia ser esteticamente, e milimetricamente, feito para atrair os jovens.
Além das mesas e do hambúrguer de cheddar extra a parte mais disputada do frog’s era a mesa de totó.
Não quero me gabar, mas era a minha especialidade.
Sai do completo anonimato para o estrelato com a chegada do frog’s e da mesa de totó que me tornou o rei do local. Tinha uma invencibilidade que já durava tanto tempo que o dono do Frog’s tinha prometido a mais de uma semana...

Eu disse mais de uma semana!

Que quem me vencesse ganharia um cheddar extra, a especialidade da casa, como prêmio. Desafiantes saiam dos quatro cantos da cidade em busca daquele hambúrguer gratuito e da minha cabeça, mas sempre caiam perante os rápidos movimentos do meu pulso.

Eu tinha nascido para aquilo

Renata a garçonete mais linda do frog’s frequentemente me levava um refrigerante grátis depois de algumas vitórias e me dava uma piscadela. Logo depois ela virava e os desafiantes e amigos me olhavam como quem olha um ídolo que tem tudo o que quer na vida.
O Frog’s era a minha arena e eu era o melhor gladiador que aquela mulher de avental já vira em toda a vida.

Era tudo perfeito até ele aparecer

Chegou desengonçado. Era gordo e tinha dobras evidentes nos lados do corpo. Dizia que vinha da parte norte da cidade, que seu nome era João e que estava ali para comer um cheddar extra de graça.
Todos riram até que o balofo me desafiou pegando uma das bolas no canto da mesa de totó e me chamou.
Eu ri... Disse que ele deveria emagrecer para que os seus pulsos gigantes coubessem entre cada barra de ferro que fazia os jogadores rodarem:

-Você nem consegue jogar gorducho
-Então me enfrente e prove
-Tenho pena de você
-Tenho mais força num braço do que você em todo o seu corpo!

Aquilo foi à gota d’água. Nenhum balofo ia me insultar dentro da minha arena, em frente a minha garota, ao meu público!

Se prepare balofo!

Posicionei-me, joguei a bola para o alto e deixei o jogo correr.
O gorducho era extremamente ágil na mudança entre as barras. Tinha um jeito diferente de deslizar as mãos que fazia os seus jogadores passarem de uma extremidade a outra da mesa num piscar de olhos.
Todos olhavam estarrecidos com a destreza do monte de gordura a minha frente. Eu suava e me contorcia todo como jamais fiz antes enquanto ele, com seu enorme corpo, só movia os braços de um canto a outro da mesa.
Eu perdi. Um minuto depois eu estava derrotado.
Minha garota, meus fãs, meu reino... Tudo colocado abaixo por um balofo.
Renata agora só trazia refrigerantes para o gordo e parou de piscar para mim.
Depois daquele interminável minuto sempre que voltei ao frog’s vi os desafiantes melhorarem e até o balofo também ser derrotado.
Desde aquele dia o sabor do hambúrguer de cheddar do frog’s nunca mais foi o mesmo para mim.

Comercial NASA



Vídeo produzido por mim como projeto final do curso de videografismo em After Effects.

Como o tempo...




Esperar que a vida lhe trate bem porque você é uma boa pessoa é como esperar que um touro não te ataque porque é vegetariano. (Dennis Wholey)








Acordei e levantei bem devagar.
Sentei-me na cama e olhei fixamente para a quase estranha deitada ao meu lado. Se ela acordasse e começasse a falar provavelmente eu não entenderia uma palavra e teria que lembrá-la de traduzir para uma terceira língua que não era a mãe de nenhum de nós.
Ali adormecida ela parecia ser muito mais bonita do que realmente era.
Como num daqueles filmes italianos desconhecidos em que a mulher dorme com um homem qualquer e depois pega um cigarro para fumar na janela enquanto conversam.
Era uma mulher diferente e que aparentemente gostava de correr riscos, coisa que não era do meu feitio e começava a se tornar rotina.

Será que mudar tão bruscamente um estilo de vida é bom para qualquer ser humano?

O certo é que comecei a fazer coisas que nunca me imaginei fazendo há três meses atrás. Uma delas pode ser vista nesse texto, pois estou escrevendo um bom número de vezes a palavra “coisa” que sempre procurei evitar, por achar não ter um sentido claro, e as outras não devem ser ditas aqui.

Dou como certa a morte de minha inspiração nos textos...

Assim como em alguns aspectos da minha vida deixei de me dedicar e glamourizar esse blog. Minha inspiração se foi como o vento, o amor e a certeza de que a bondade, a gentileza e ser uma pessoa que vê a vida de uma “forma romântica” trás muito mais felicidades que tristezas.
Fazer parte de uma minoria absoluta quer dizer que há algo errado com você e não com a maioria.
Não gosto de muitos dos lugares onde estou indo, mas tenho certeza de que freqüentar esses ambientes estão me trazendo uma felicidade que disfarça durante um bom tempo a minha decepção e as lembranças que me dilaceram por dentro.

Esquecer o que ficou pra trás, pois não é o que vai fazer você feliz agora...

Lembro que há um dia atrás quando conheci a garota que esta enrolada num lençol ao meu lado nós conversávamos sobre isso:

-Então você não acha?
-Pelas nossas últimas e poucas conversas não
-Sempre me disseram o contrário
-Serio?
-Sim. Eu sempre fui um cara bom. Um cara que...
-Posso te dizer uma coisa?
-Sim
-Não fique chateado, mas ser bonzinho não molha a calcinha de ninguém...

(Risos)

-É... Eu já percebi isso...
-Parece que uma garota tem algo a ver com isso né?
-É...

Lembro que no meio de madrugada escondi a minha carteira no banheiro com medo de dormir e ser roubado, mas se alguém tinha que estar preocupada ali era ela. Pelo menos eu estava no meu país.
Comecei a me arrumar, depois de deixar o quarto pago, e já ia saindo quando ela acordou.

-Ei, onde você vai?
-Vou embora. Deixei uns endereços da Internet pra gente se falar...
- (Risos) Posso pedir uma coisa?
-Sim. Desde que não seja mais bebida... (Risos)
-Xinga a sua garota
-O que?
-Xinga ela agora pra eu ouvir...
-Que psicologia barata...

Odeio psicólogos!!!

-É só dizer fulana vai t...!
-Não!

Bati a porta e sai enquanto ela gritava do quarto e ria alto ainda em inglês: “Eu sabia. Você não pode enganar a si mesmo. Ótimo brasileiro!”
Depois de entrar no ônibus encostei a cabeça na janela e olhei o monumento que sempre me lembrou, antes de dizer e depois de tê-lo dito, por sempre me parecer tão distante, imponente, ao mesmo tempo em que frágil, e por saber que sempre teria tanto poder sobre o resto da minha vida. Como o tempo...

Anima mundi 2010



Clipe da banda Sociedade do soul que assisti no Anima Mundi desse ano. Ótima animação e música bastante divertida.

Já?

Na cama...

-Ei onde você vai?
-Já acabei. Vou no banheiro
-Mas eu ainda não consegui...
-Eu sei. Eu sei
-#*¨# Antes daqui você era um cavalheiro!
-Isso é verdade. Antes disso tudo eu era um perfeito cavalheiro...
-Idiota... #*¨#
-Eu sei. Eu sei

Hoje eu acordei feliz




Charlie Brown Jr - Hoje eu acordei feliz (Trecho da letra)

Hoje eu acordei para sorrir mostrar os dentes
Hoje eu acordei para matar o presidente.
Hoje tem festa, ela vai tá, eu vou vai ser perfeito
eu vou fazer o que você jamais teria feito

Chegou ficou do lado
Já sentiu um pouco daquele efeito
Eu vou fazer o que você jamais teria feito
Não quero acordar, Não!
Não quero acordar, Não!
Não quero acordar, Não!

Supondo

No bar...

-Olá
-Você tem certeza que vai querer dar em cima de mim?
-...
-Ihh rateou (risos)
-Suponhamos que sim...
-Suponhamos que eu lhe dê um fora...
-Suponhamos que eu seja insistente...
-Suponhamos que você tenha que provar que pode ficar comigo...

...

-Você quer supor mais algo
-Não. Vamos logo para a pratica...

O maluco e o jornalista

-Boa tarde
-Boa tarde
-Vim fazer uma entrevista com o senhor...
-Sobre o que?
-Sua sanidade mental

Leio jornais, vejo Tv e procuro sempre me manter atualizado na medida do possível, tendo posto que resido num manicômio, mas entrevistar uma pessoa louca me pareceu um pouco absurdo. Afinal como esse jornalista vai saber se eu não vou começar a gritar de repente.

-Senhor com todo respeito eu sou louco e não digo coisa com coisa
-Sim. E a minha matéria é sobre isso
-Sobre falta de coerência?
-Não. Loucura

Talvez o louco aqui seja ele. Estou doente! Como ele espera ter uma conversa sadia. Isso é contraditório só para mim?

-Ok. Faça-me as perguntas
-Qual o nome do senhor?
-Napoleão, Obama, Nietzsche, Eddie Vedder... Posso ser quem eu quiser
-O senhor não esta colaborando. É só dizer a verdade

Estou tentando colaborar, mas esse senhor não esta se ajudando. Quem é ele para me dizer o que é verdade.
Estou num manicômio: O único lugar da nossa sociedade em que posso ser quem eu quiser, e ele quer que eu seja uma simples pessoa qualquer.

Um louco! Haha

-Estou lhe dizendo a verdade
-Não quero a sua verdade. Quero a verdade a que estou o induzindo com minhas perguntas

Verdade: sf (lat veritate) 1 Aquilo que é ou existe iniludivelmente

Quem é o maluco agora? Eu que tento iludir os outros ou ele que tenta iludir a si mesmo? Se nós dois somos loucos pelo menos eu assumo a minha condição.

-Tantas verdades e o senhor quer que eu escolha uma?
-Quero que escolha a certa
-Meu senhor, quantas vezes vou ter que lhe dizer: Estou fora do meu perfeito juízo
-Eu já sei, mas...
-Eu sou maluco: M, A, L...
-Ok. Desisto
-O senhor não deveria desistir tão fácil. Você é um jornalista e buscar a melhor informação deveria ser sua meta principal. Sem essa fonte como você vai fazer?
-É verdade. Sem os dois lados como vou ter imparcialidade na matéria?
-(risos) A imparcialidade não existe!
-Claro que existe! Eu procuro sempre analisar as mais variadas versões de um mesmo fato e minha avidez pela infor...

Risos altos

-Do que eu o senhor esta rindo?!!!
-O senhor esta explicando o conceito de imparcialidade para uma pessoa louca!


Rammstein - Ich Tu Dir Weh

Toda banda de metal deveria ser obrigada a gravar pelo uma música em alemão na carreira e toda as pessoas deveriam ser obrigadas a transar pelo menos uma vez ao som de Rammstein.

Girassóis na madrugada














A pergunta que não quer calar é: O que o senhor da foto (que devia ter uns 60 anos) fazia com dois girassóis às 23:30 de uma quarta-feira num dos últimos horários do metrô?
E o pior é que depois que eu tirei a foto mais duas pessoas simplesmente sacaram os seus celulares e tiraram também...
Acho que é pela raridade em ver algo tão colorido no meio da cidade do nada.
Todo mundo fala das rosas, mas dar Girassóis parece ser um bom presente... É... Eu acho que sim...

Quebrando o gelo

Na boate...

-Olá
-Olá
-Posso falar com você um instante...
-Não estooou afim...
-Tem certeza?
-Ei, o que é esse monte de gelo na sua mão?

O rapaz atira o gelo no chão

-Bom, agora que nós quebramos o gelo inicial...

Tomando o controle



Última cena do filme Wanted.
Ótimo texto:

"Isso sou eu tomando o controle...
De Sloan...
Da freternidade...
De Janice...
Preenchimento de relatórios...
Dos teclados ergonômicos...
Namorada infiel e melhor amigo de merda.
Esse sou eu pegando de volta o controle...
Da minha vida!
Que porra você tem feito ultimamente?"

Bem mais simples














Fabiana era uma garota engraçada e tão parecida com Cezar que dava medo.
Não que os gostos fossem tão iguais, não que os lugares que freqüentassem fossem tão comuns e até os cursos que faziam, na mesma faculdade, eram diferentes, mas tinham algo que era maior do que isso. As idades eram parecidas e de alguma forma a falta do que fazer os unia.
Parecia ser simples.
Não havia chance de aquilo dar certo de uma forma mais duradoura, porém aquele parecia ser um bom jeito de passar o tempo enquanto nada acontecia.

Pode-se dizer que estudar na mesma instituição e morar na mesma cidade ajudou

Fabiana era mais criança nas atitudes, e o seu corpo adulto aparentava outra personalidade, enquanto Cezar era muito mais adulto e dono de si do que o seu corpo magro e suas últimas relações mostraram.
O evento numa famosa praia carioca mostrava-se como cenário perfeito para uma relação digamos mais aprofundada.
Cezar mentiu sobre o último forte acidente, que quase lhe tirou a vida, e a levou na motocicleta de um amigo.

-Você realmente nunca bateu?
-Claro que não. Sou um ótimo motorista.
-Tudo bem então, mas eu vou com o capacete bonito ali.
-Você manda...

Estacionou pagando uma fortuna ao homem do estacionamento e seguiu até o local na beira da praia.
Não segurou a mão de Fabiana, mas manteve-se perto o suficiente para mostrar que estava com ela para escapar de possíveis tentativas de engraçadinhos solteiros.

-As coisas aqui são bem caras
-Eles tinham que compensar a entrada de graça né?

Essa foi uma indireta do tipo: Se você não pagar as coisas hoje não vai ter nada garotão

-É verdade
-Mas pode deixar que hoje você é minha convidada
-Não vou deixar você fazer isso
-Eu faço questão

Não é a toa que meus amigos pagam putas... Você só corta a parte chata da conversa...

Apesar do evento não ter terminado exatamente como as pessoas no local queriam Cezar se mostrou uma boa companhia e conseguiu segurar o ímpeto “jogando” do jeito certo com Fabiana.
Enquanto voltavam para casa, já de noite, parou num ponto bonito do local próximo aos arcos e tirou uma foto antes de seguir...

-Você é mil vezes mais maluco do que eu imaginava
-Por que?
-Por que?! No estacionamento!
-Você não quis pegar o ônibus...
-(Risos) Maluco...
-É melhor ser um maluco e aproveitar do que ser um idiota e respeitar
-O que?
-Brincadeira... Vamos?

"...Me conte o que eu deveria fazer
com todos estes sentimentos partidos sobre você
Por que eu não sei
E me diga como eu deveria me sentir
Quando todos estes pesadelos se tornam reais
Por que eu não sei
E eu não acho que você vê
Os lugares dentro de mim que eu encontrei..."

Rise Against - Roadside (tradução)

Among the waves



O Pearl Jam lançou no ano passado o disco Backspacer, o nono álbum do grupo, contém onze faixas, e garantiu o topo das paradas da Bilboard.
O single, sucessor de "The Fixer", se chama "Amongst the Waves" e ganhou um vídeo com cunho ambiental.
O tema base, que já foi abordado aqui no Matutando é o desastre de petróleo nos Estados Unidos e Golfo do México.

1 ano de Matutando




Sei que esta tarde, mas é que só fui lembrar agora... rs

Assista em HD no Vimeo.

Último antes do cd



A banda de rock Zander irá fazer o seu último show em terras cariocas antes de fechar para balanço no dia 2 de julho no Planet Music em Cascadura.
O ingresso custa sete "biringotes" e mais quatro bandas foram convidadas para tocar.
A Zander é formada por ex-integrantes do noção de nada, Discoteque, Deluxe Trio e Reffer além do atual guitarrista do Dead Fish Philippe Fargnoli.
As letras ficam a cargo de Gabriel Zander cujo trabalho acompanho desde a primeira música que ouvi, ainda na época de Noção, e não parei mais de escutar.
Costumo dizer que eu conseguiria fazer a trilha sonora da minha vida inteira só com as letras e músicas que ele já escreveu.
Vale a penna passar lá e ouvir.
Para mim a Zander é uma das bandas de rock mais vibrantes do cenário atual e o som, bem construído, junto as letras de Gabriel Zander continuam fazendo a diferença.

"... Pegue uma senha aguarde a sua vez e obrigado por nos escolher! ..."

Zander

My truth smile

Camisa

Na rua...

-Adoro essa camisa azul
-Isso não é azul. É lilás
-Claro que é azul
-Lilás
-Azul
-Lilás
-Azul

Raphael que cor é essa?!

-Verde...

É esse cara no espelho que eu quero quebrar

“Onde esta o meu sono e por que ele me deixou...”

Roberto pensava enquanto, sentado sobre a tampa do vaso, colocava a cabeça entre os joelhos.
Abriu uma fresta na porta e observou a mulher que conhecia a pouco menos de três semanas e agora estava deitada na cama observando o teto espelhado no lado de fora.

Odeio teto espelhado

O celular tocou e uma música do Radiohead invadiu o cômodo. De longe pode ver a luz indicando uma nova mensagem no celular e correu para ver antes da quase desconhecida pegar o objeto.

-Eu só ia ver o que era....
-Eu sei. É que ouvi tocar e corri

As letras do texto noticiavam o acidente de uma grande amiga e Roberto logo se pôs a colocar a roupa.

-Onde você esta indo?
-Desculpe, tenho que ir embora
-Já?!
-Sim. É importante mais tarde ligo
-Você esta falando sério?
-Sim
-Se você sair por essa porta nunca mais me ligue. Não sou uma prostituta que você liga e descarta!
-Ok

Se ela não era pelo menos agia como uma. Que mulher sai com um homem no meio da semana após uma simples e rápida ligação desesperada no final do expediente de trabalho.

Muitas com certeza... Até parece que não sabe...

Depois da ligação se recuperou do susto, já que nada de mais grave tinha acontecido com a amiga, e rumou para casa.
Roberto estava tentando evitar toques de celular com músicas melosas, qualquer coisa que lembre bandas com cubos e manchas causadas por prováveis atos sexuais.
Ele não odeia o banco Bradesco e muito menos aquela outra serie de coisas, pois quem diz isso engana a si mesmo e a quem esta perto. Pior do que tentar enganar você mesmo é enganar quem te ama incondicionalmente.
Roberto descobriu que existe um filme com esse final. É triste, mas é um final feliz de alguma forma e é exatamente como deveria ser apesar de tudo:

“Eu preferiria...
Sentir o cheiro de seus cabelos,
Dar um beijo...
Tocar uma vez em sua mão...
A passar a eternidade sem isso...”

City of Angels (trecho de dialogo traduzido)

Ia ser uma merda ter que pagar aquele o concerto




O cheiro daquela rua perto da boate sempre enjoou Davi. Era uma mistura de mijo, mendigos e cerveja que aquela altura lhe embrulhava o estômago.
Se Deus protege as crianças e os bêbados ele tinha esquecido de um naquela madrugada de frio congelante que logo seria exponencialmente aumentada pela viagem de moto na volta.
Despediu-se da mulher que o acompanhava levando-a até um Táxi (os ônibus para determinados locais eram complicados de se achar às 5 da manhã no Rio de Janeiro) e seguiu para um famoso bairro local debaixo de arcos onde o seu veículo estava estacionado.
Pensou em levá-la junto, mas isso implicaria numa continuação da discussão da boate e num consequente sexo para fazer as pazes num motel pé sujo qualquer do local o que, definitivamente, não era a sua intenção num dia dos namorados em que eles deviam estar completamente cheios.
Tentou refazer um caminho conhecido de tempos atrás quando participou de uma serie de shows noite adentro horrível.
O lugar onde o palco ficava agora estava vazio e só as pedras portuguesas sujas características da praça habitavam lá. Davi pede uma cerveja no bar e senta-se no mesmo banco do evento. Toma um gole e volta ao caminho.
É impressionante como as mulheres se divertem nas madrugadas cariocas com os mais diferentes tipos de abordagem. Elas podem sair sem um centavo no bolso e se divertir só as custas de otários como os que eu vi.
Atravessa a rua e passa pela série de bares, agora muito menos lotados do local, sentando num gramado logo ali perto e comprando mais uma cerveja com um ambulante.
Viu um mendigo, mas não sabia se era o mesmo da noite horrível, e passou os olhos pela igreja para onde ele tentava levar as meninas incautas de madrugada. 300 metros a sua frente estava o estacionamento e ele decidindo que não era bom ficar ali parado, mesmo sem se importar, foi pegar a moto para ir embora.
Deu um amistoso bom final de semana ao guardador sem olhá-lo e já dando o dinheiro seguiu em direção a moto.
Desligou o alarme, sentou, colocou o capacete e a ligou.
Depois de um minuto pensando em mil acontecimentos partiu buzinando logo que passou pela guarita.
O caminho era longo e antes de pegar a estrada tinha a sua frente uma extensa rua com quatro sinais. O primeiro estava vermelho e os outros amarelos prontos para fechar.
Parou antes da faixa de pedestres, esperou o primeiro sinal abrir, acelerou e fechou a viseira enquanto os outros fechavam.
Sem buzinar chegou à quinta marcha e a aceleração máxima em 15 segundos.
Passou pelo primeiro e ao olhar para os lados não viu nenhum veículo na transversal a não ser o dele em alta velocidade. A mesma situação se repetiu na segunda esquina quando ele ouviu mais um ronco de motor além do seu à frente. Ignorou e continuou com os punhos cerrados, na moto em aceleração máxima, quando viu a silhueta do ônibus quase ao mesmo tempo em que entrava na reta final.
Fechou os olhos e continuou.
Logo depois que a moto passou pelo gigante cheio de passageiros um pedaço da roda traseira de Davi foi tocado e ele foi lançado da moto a uma grande distância.
Sua lembrança depois disso foi acordar em meio a um número sem fim de passageiros desesperados. Sem nenhum arranhão sequer e com algumas partes do corpo doloridas ele se aprumou, agradeceu e ligou para um reboque como se tivesse apenas caído no chão.
Ia ser uma merda ter que pagar o concerto daquela moto.

"...Se acaba bem
Quem é que vai dizer?
Não perguntei, nem procurei saber
Vou enxer seu copo sem perguntar
Te oferecer e depois cobrar
E a gente vai gritar
Mais alto que der
Ninguém vai poder nos convencer
De mãos dadas e de pé
Até o mais longe que der..."

Zander

Lições

Na boate...

-Você é um idiota!
-Por acaso você é a minha namorada?!
-Não
-Então não grite
-Você não parecia ser assim...
-Não era, mas tive boas lições durante a vida...
-Que?!
-Você não ia embora?
-Não vou me privar da festa por sua causa...
-Sei...



NIN - Closer (Tradução)

"você me deixa violentá-la
você me deixa profaná-la
você me deixa penetrá-la
você me deixa complicá-la

Ajude-me
eu me quebrei por dentro
Ajude-me
eu não tenho alma para vender
Ajude-me
a única coisa que funciona para mim
Ajude-me
a fugir de mim mesmo

eu quero fudê-la como um animal
eu quero senti-la por dentro
eu quero fude-la como um animal
toda minha existência é falha
você me faz ficar mais perto de Deus

você pode ter meu isolamento
você pode ter o ódio que isso traz
você pode ter minha ausência de fé
você pode ter meu tudo

Ajude-me
a derrubar minha razão
Ajude-me
é o seu sexo que eu posso cheirar
Ajude-me
você me faz perfeito
Ajude-me
a me tranformar em outra pessoa

eu quero fudê-la como um animal
eu quero senti-la por dentro
eu quero fude-la como um animal
toda minha existência é falha
você me faz ficar mais perto de Deus

através de cada floresta, acima das árvores
dentro do meu estômago, sem meus joelhos
eu bebo o mel dentro de sua colméia
você é a razão pela qual eu permaneço vivo"

Colaboradora

E a banda continuava a tocar
Na minha frente aquele rosto impaciente
Que eu aprendi a reconhecer
E que preferiu me deixar esmorecer

Vamos nos divertir
Dançar e sorrir
Sobre noite e lua
Grama e rua
Lavrada ou arcada
Amada ou ignorada

O espaço entre nós
Parece crescer
Como amor que sempre terei por você
Me mate ou me dê um tiro
Me diga a verdade
Me deixe ceder
E repita: Eu não mais você

O cheiro tão característico
Não me traz mais conforto
Apenas a certeza
Daquelas quatro palavras
Como um ponto final sobre a mesa

A velocidade é minha aliada
Com ela desafio o tempo em disparada
Gostei do sabor
Da garota da boate
Mesmo sem nunca ter me visto
Ela me disse mais uma verdade
Você nunca esteve comigo

Como se destrói um ninguém?
Essa você conhece bem!

O espaço entre nós
Parece crescer
Como amor que sempre terei por você
Me mate ou me dê um tiro
Me diga a verdade
Me deixe ceder
E repita: Eu não mais você

Zack Deat - Sonhos



"Leia ouvindo a música acima"

Zack Deat acordou e não viu e esposa do lado direito da cama.
Tinha perdido as contas de quantas vezes tinham brigado por aquele maldito pedaço de colchão no inicio do casamento... Levantou e foi beber um copo d’agua quando viu o recado na cabeceira: “Não esqueça de colocar as frutas na lancheira das crianças... Beijo. Te amo”.
Tinha se esquecido que a mulher ia passar o dia fora ajudando uma amiga com o casamento.

Odiava aquela amiga...

Chegou na cozinha e, enquanto enchia o copo com água gelada do filtro, atirou o papel que a esposa havia deixado no lixo acertando com êxito bem no meio da lixeira. Olhou para o relógio da cozinha: 3:00, sentou-se na sala, ligou a TV e deixou o corpo relaxar.

...

Depois de 20 minutos tentando não conseguiu pegar no sono. Decidiu colocar uma calça jeans Calvin Klein, uma camisa do Led Zeppelin e saiu para um famoso reduto da bohemia local em seu carro com só um pensamento na cabeça: “Que tal uma brincadeirinha de madrugada hoje Deat?”
Rapidamente conseguiu um lugar para estacionar no lugar abarrotado de gente. Aparentemente os freqüentadores, apesar de numerosos, não tinham uma condição financeira grande facilitando quem tinha um veículo de transporte próprio.
Comprou uma cerveja numa barraca sentou num ponto do local mais aberto e observou possíveis alvos da traquinagem.
Um mendigo tarado, dois violinista em busca de dinheiro, um jovem bêbado perdido, uma garota bebendo andando do outro lado da rua...

Sim ela!

Seguiu a menina e pensou em abordá-la quando ela encostou perto de um homem fumando e lhe deu um beijo de tirar o fôlego. Isso definitivamente tornava as coisas mais difíceis, porém já eram quase 4 horas e eles iam ter que ir embora mais cedo ou mais tarde... Ia ser a hora em que iam ter que pegar o ônibus...

A hora em que iam ter que pegar o ônibus...

Esperou e não demorou muito para que suas previsões se realizassem. Depois de 20 minutos eles saíram e esperaram o ônibus na extremidade de uma praça ali perto. Com um copo de Whisky na mão Zack Deat observava os dois se agarrando em plena praça. Aparentemente o clima estava quente e algo ia acontecer quando o ônibus chegou.
Deat correu e pegou o mesmo veiculo sentando perto do trocador enquanto o casal foi para o último banco.
A garota de saia sentou no colo do rapaz e começou a rebolar.
Sim, eles estavam transando dentro do Ônibus e Deat se excitou junto preparando a traquinagem para quando eles descessem, o que logo aconteceu.
O rapaz se despediu dela no ponto acendendo um cigarro e virando na esquina enquanto a garota contornou a rua e seguiu reto.

Era agora...

-Olá
-Oi
-Aonde você vai?
-Olha aqui: Me deixa passar se não eu grito...
-Pra quem? Para quem você irá gritar?
-Meu namorado esta vindo me encontrar...
-O mesmo que eu vi agora a pouco se matando com um cigarro e beijou uma outra garota naquela festa em que vocês estavam?
-Do que você esta falando?!
-De nada

Pôs-se a correr, como um jogador de futebol americano, pegando a garota e a levando para dentro de um terreno baldio onde a colocou no chão e a imobilizou.

-Pelo amor de Deus o que você quer!? Não me machuque!
-Relaxe como você fez no colo do seu namorado no ônibus.
-Ah meu Deus!
-Você acredita nele?!
-Em quem?!

Deat tirou um canivete do bolso e o cravou vagarosamente no ventre da menina enquanto observava a face de dor dela...

Pai pai pai!!!
Deat toma um susto e acorda...


-Esta na hora de ir pra escola!
-Nossa desculpe filho, eu peguei no sono aqui no sofá vendo TV
-A gente vai ao casamento da amiga da mamãe hoje ainda?
-Sim. Claro que sim. Já vou me arrumar.
-OK
-Não esqueça de colocar umas frutas na sua lancheira e na do seu irmão
-Te amo pai
-Eu também filho... Eu também...

Outdoor

No carro...

-Pai o que é aquilo
-Se chama outdoor e serve para divulgar a marca ou o produto de uma empresa
-Eu quero um
-Bom, primeiro você precisa ter dinheiro pra comprar
-Mas eu não só consiguirei vender com ele? Como vou ter dinheiro pra comprar?
-Isso o capital jamais vai te responder...
-...

Panorama



O derramamento de petróleo no golfo do México já superou o Exxon Valdez como o pior da história dos EUA.
O vazamento vem liberando milhares de barris de petróleo diariamente na costa do Estado americano da Louisiana.
A diretora do Centro de Pesquisas Geológica dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), Marcia McNutt, estimou que o vazamento seja de entre 12 mil e 19 mil barris por dia, ou seja, uma tragédia de proporções gigantescas.
Vendo o vídeo acima lembrei-me daquelas informações que os cientistas mandaram para o espaço, anos atrás, com as coordenadas do planeta Terra para que algum extraterrestre, caso exista algum, nos ache um dia.
Se eu visse a terra desse ângulo iria tacar uma bomba direto nesse lugar... Não merecemos o maravilhoso planeta que temos.

"...De relance me vejo pedalando um camelo
Coqueiros e areia em primeiro plano e ao fundo um navio petroleiro
Calotas polares derretem e modificamos códigos genéticos em nome da ciência
O Homo se diz Sapiens, mas o que mais lhe parece faltar é a sapiência
Que o espaço-tempo é curvo, Einstein provou a partir de um lampejo
Realmente não sei se o que você chama de verde é a mesma cor que eu vejo
Alheia a isso, a maioria continua exaltando o luxo e a propriedade privada
Esquece que caixão não tem gaveta
E que dessa passagem, a aprendizagem é a única bagagem levada..."

Forfun - Panorama

O capitalista e o trabalhador

-Com licença chefe. Posso falar com o senhor?
-Desde que seja rápido...


O trabalhador era um exemplo de dedicação. Eleito funcionário do mês durante três meses seguidos tinha orgulho de se empenhar, mais do que qualquer outro, na empresa e fazê-la funcionar. A ciência era exata e o raciocínio fácil de se ter.
A produção de toda a industria eram os seus braços e o dinheiro era a soma do seu trabalho otimizado pela vontade em ser um bom funcionário, crescer e dar uma vida melhor para a sua família.

-Quero um aumento
-Impossível
-Mas eu fui funcionário do mês durante três meses consecutivos!

O primeiro lugar em produção não garantiria a ele um pequeno aumento?
Nem uma promoção?
Tinha prazer em passear no shopping com a sua esposa e os dois filhos. Via a silhueta de toda a família meio borrada em cada vitrine que parava para ver e pensava que um dia estaria dentro de qualquer uma daquelas roupas que tanto almejava.
A vendedora invariavelmente parava do lado do trabalhador, atraente e bonita como sempre, e perguntava sobre o camisa ou calça preterida.

-Isso não quer dizer nada Trabalhador...
-Quer dizer que eu me empenho e preciso disso!
-Fale baixo Trabalhador. Não se exalte...
-Enquanto a uma promoção?
-O seu salário não é baixo as suas despesas que são altas


Por que isso soou tão parecido com uma atendente de telemarketing para ele? Quase pode ouvir ele dizer logo depois: “Isso é tudo senhor. Em caso de duvida aperte a tecla 9”

-Vamos ser objetivos chefe. Tente ser racional...
-Estou sendo bem racional lhe dizendo agora que você não terá um aumento!
-Sua produção são os meus braços! Seu dinheiro é o meu trabalho!
-Que só pode ser feito com tanto êxito pelo capital que investi levantando esse império


Império...
A primeira imagem que veio a mente com essa palavra foi a de Darth Vader com um sabre de luz na mão matando exércitos num planeta qualquer...
O mesmo terror de um Jedi perante Vader invade o Trabalhador que se resigna em seu posto de operário do proletariado e agradece pelo tempo do patrão indo embora...
Na mente as palavras do capitalista ressoavam em sua cabeça assustadoramente: “O seu salário não é baixo Trabalhador as suas despesas é que são altas”

Matuto

Playing

"... Já é hora de crescer ..."



Zander - Como arde sô!

"Eu sei que eu desafinei
E eu não sou cantor nem nada
E se ela quiser beijar alguém
Não é problema seu, nem meu

Vou te dizer pra nem tentar
Vou achar que podem te adestrar
E a gente vai cantar

Mais alto que der
Ninguém vai poder nos convencer
De mãos dadas e de pé
Até o mais longe que der
E enquanto eles tentam nos derrubar, nos ofender
Nada pode nos deter
A gente sabe que vai arder

Se acaba bem
Quem é que vai dizer?
Não perguntei, nem procurei saber
Vou enxer seu copo sem perguntar
Te oferecer e depois cobrar
E a gente vai gritar

Mais alto que der
Ninguém vai poder nos convencer
De mãos dadas e de pé
Até o mais longe que der
E enquanto eles tentam nos estuprar, nos converter
Nada pode nos deter
A gente sabe que vai arder

Se ela quiser, ninguém tem que se meter
Se acaba bem
Quem é que vai dizer?
Não perguntei, nem procurei saber

E sempre que der
Vou dizer pra nem tentar
Que já é hora de crescer
E de parar de usar
As roupas de sempre
Quando é que vocês dois vão casar?
A gente escolheu se respeitar
Obrigado por perguntar"

The worst love storie

Antes de ler saiba que o texto a seguir é todo baseado em experiências de uma única pessoa e que, assim sendo, não são necessariamente verdades suas, portanto fique tranqüilo...
Sim. Realmente existem pessoas que tratam um relacionamento de forma diferente. Existem homens que realmente acreditam no amor, por mais que digam o contrário, e que praticam atos inesperados e bonitos além de colocar o alvo de tanto apreço a frente até deles mesmos, mas eles são raros... Muito raros.

A verdade é que a sensação de ser um “mariquinha” enoja a maioria...

Sem falta de modéstia sempre me inclui nessa parca minoria e nunca tive vergonha de ter amigos que pensavam o contrário. Caçoaram-me durante toda a minha vida por ficar longos períodos sem ficar com garotas e mais ainda por ficar muito tempo namorando uma só.
Pensando cá com os meus botões acredito que esses homens são minoria por que quem é assim não chega muito longe num relacionamento.

Se você esta pensando agora em me criticar e comentar pare de ler e mude de blog... ok?

O que nós gostamos, e me incluo nisso, é de sacanagem. No sentido sexual e moral da palavra. Ninguém gosta de flores sempre, ninguém gosta de andar de mãos dadas sempre e ninguém gosta de demonstrações de amor públicas sempre.
Você prefere uma noite de declarações de amor, conversa, risadas e divertimento ou uma noite quente de sexo?
Quem respondeu afirmativamente as primeiras e não sexo esta mentindo.

Isso mesmo. Acabei de te chamar de mentiroso então se ofenda e pare de ler e não comente

Por mais que se ame e se tenha apreço e dedicação incondicional invariavelmente preferimos quem nos fere a quem nos ama e isso é verdade para mim também. Foras, chutes e pontapés te deixam muito mais interessado em alguém do que beijos, presentes e amor. Não é a toa que o tipo de pessoa que citei no início é cada dia mais raro:

Num veiculo voltando à noite...:

-Te amo mais do que qualquer coisa há anos
-Eu sei
-Não posso te prometer uma vida financeira estável
-Não é isso que estou procurando
-Não posso te prometer que vou ter o melhor emprego na minha profissão
-Só estou à procura de alguém que me ame
-Isso eu posso prometer para todo o sempre...
-Eu já ouvi isso antes
-Mas não de quem mais te amou na vida e só quer te fazer feliz...

Um mês depois...

-Você não quer falar comigo? Então diga...
-É assim que acaba... É esse o final?
-Acho que sim
-Não vejo sentido nisso...
-...
-Então diga: Eu não te amo e nunca mais quero ficar com você
-Você sabe que eu não te amo
-Diga!
- Eu não te amo e nunca mais quero ficar com você

Não existem “últimos romances” do jeito que Rodrigo Amarante descreveu nos Los Hermanos... FATO.

Na festa...

-O que você disse?
-O que?
-Você acabou de dizer o nome daquela garota
-...
-...
-Desculpe
-Não. Me desculpe você por achar que um dia você iria superar isso comigo
-Não foi minha intenção...
-Então por que...
-Não me reconheço mais... Desculpe...

Uma pessoa rara, como eu disse, leva tempo (anos) pra perceber como as coisas funcionam, mas um dia percebe... Ela só demora muito mais que as outras.
No final se percebe que você não era o diferente... Você era o errado... Se 99,5 % das pessoas são de um jeito e você de outro é impossível que a minoria absoluta esteja certa e isso é fato.

E contra fatos não há argumentos

Bom, esse texto esta ficando grande demais e eu cansei de escrever...

Isso mesmo. Achou o final ridículo?

São 20 horas do sábado e eu acabei de “cagar” para a minha monografia hoje e estou saindo...
Um beijo na ponta do nariz pra quem vai sair como eu hoje e um outro para as duas protagonistas das pequenas histórias acima, que provavelmente devem estar se divertindo exatamente agora em algum lugar...
Espero sinceramente que ninguém nunca leia isso...
Eu nem deveria ter escrito isso...
Nem isso...
Nem isso...
Nem isso...

Star




A NASA comemorou recentemente o vigésimo aniversario do telescópio espacial Hubble e disponibilizou algumas fotos inéditas para download no seu site: www.nasa.gov
Vendo o site, e principalmente as imagens, lembrei da minha mais recente compra que foi um certificado de nomeação de estrela.
Andei vasculhando em alguns cantos da Internet e achei um número sem fim de lugares que disponibilizam o serviço e que, apesar de qualquer coisa que venham a dizer, não é reconhecido de maneira alguma pela comunidade cientifica mundial, mas é uma bela homenagem.
O site: suaestrela.com.br é uma boa dica para quem é brasileiro e gosta desse tipo de “babaquice”. Existem alguns outros sites gringos que também fazem isso, mas sinceramente não vi nada de diferente além do preço exorbitante.
O certificado que chegou pra mim é bem legal e as estrelas disponibilizadas realmente parecem existir pelo menos no Google Sky.
Confesso que nesse momento parece ter sido uma compra meio estúpida, mas o certificado é bem legal.

Juros



Hoje quando cheguei em casa fui surpreendido pela noticia de que amanhã teremos um provável aumento nos juros feito pelo Banco Central.
Não pretendo aqui ficar fazendo uma analise aprofundada nem usar termos do economês de alguns... Não tenho embasamento nem conhecimento para escrever tais palavras, mas numa rápida pesquisa por alguns blogs, matérias e afins sobre o tema cheguei a algumas conclusões.

Erradas ou não...

Primeiro quero deixar claro o fato de sermos um dos paises que mais paga impostos no mundo. Tendo isso posto me nego a aceitar o fato de ter que aumentar, mais ainda, os já imensos preços que pagamos sobre cada produto que compramos.
O capitalismo é definitivamente o lobo do capitalismo como dizia Marx.
Para se ter uma idéia mais clara: os juros normalmente aumentam quando a economia de um certo lugar esta bem aquecida, ou seja, esta a pleno vapor e vendendo bem. Um produtor de algodão, por exemplo, resolve aumentar ligeiramente os seus preços vendendo um pouco mais caro para a industria que por sua vez se sente no direito de lucrar, mais ainda, e aumenta o preço para o varejista que aumenta o preço de novo até chegar ao consumidor.
O que gera a inflação é a avidez pelo lucro.
É o aumentar do produto de um simples camponês que ascende toda uma cadeia de ganância até chegar aos nossos bolsos.
O que mais me deixa pasmo é que os economistas vibram com isso dizendo que o Brasil se mostra estável e é capaz de consumir bem passando por cima de qualquer adversidade.

Só eu acho que isso não é motivo para vibrar!?!

Na Venezuela Hugo Chavez fechou uma rede de TV que queria se passar por internacional tendo uma programação totalmente venezuelana e foi tachado de ditador. A certa virou a rede de TV que queria passar a perna em Chavez dizendo-se internacional com uma programação totalmente nacional. Liberdade baseada na mentira é fácil de ter.

O que isso tem a ver com o tema inicial?

Temos facilidades de pagamento, redução de IPI, injeção de investimentos na industria para logo depois sermos atacados pela mesma que nos deu a mão meses atrás. A economia não esta aquecida e sim o bolso dos grandes empresárias e suas companhias.

Elas mesmo: As grandes companhias

As mesmas que causam o aquecimento global, geram guerras absurdas, e sem motivo, por petróleo e permitem a produção de armas de fogo e bombas nucleares por estadunidenses e europeus enquanto asiáticos e sul-americanos são proibidos. Se não se pode chamar isso de ditadura não sei mais como chamar.
O que eu realmente quero dizer é que mesmo por pouco tempo: Obrigado por nos dar a oportunidade consumir.


Obs: Achei a letra e as imagens do clipe da banda Rise Against bem apropriadas.

Esquisitices

Num site de relacionamento...

-Viu as novas fotos do telescópio Hubble?
-De quem?
-O telescópio da NASA oras...
-Você é a primeira pessoa que eu conheço que entra com frequência no site da NASA...
-Uhn... E você que não sabe dançar!
-O que isso tem a ver?
-Nada só falei pra implicar...
-Eu sei dançar sim... Só que é um tipo de dança contemporânea abstrata...
-¬¬



Ultraleve - Do trabalho

"Foi teu superior que me ligou
E avisou que o serviço tá
Suspenso e que você não é nem louca
De me acordar assim
Toda toda pra sair sem mim

Então fica mais um pouco
Porque hoje é feriado
E se não é ainda cedo
E se não dá e porque é tarde (demais)
Um pouco porque hoje o teu
“prestar dever” é só a mim
É só a mim

E não sou eu quem diz, mas o
Noticiário que tá tudo alagado
E que com tanta baboseira é
Bem capaz de você querer acreditar

Então fica mais um pouco
Porque hoje é feriado
E se não é ainda cedo
E se não dá e porque é tarde (demais)
Um pouco porque hoje o teu
“prestar dever” é só a mim
É só a mim"

O pássaro e o verme




Fome é algo comum para um pássaro ainda mais quando o passaro em questão vive numa grande cidade.
A destruição cada vez maior da natureza obriga as aves a irem cada vez mais longe ou a recorrer a opções mais alternativas como frequentar pátios escolares ou praças para colher algumas migalhas.
Alguns não concordam com isso e preferem caçar a moda antiga. O pássaro em questão é um desses e depois de muito voar viu do alto um verme rastejando numa arvore em direção a uma fruta.
Colocou-se entre o verme e a fruta dando um susto no ser rastejante e já se aprontou para o ataque.

-O que você quer? Que susto!
-Como assim o que quero? Vou comê-lo
-Oras que idéia estúpida

Estúpida?
Ele era um verme como assim dizia que o passaro era estúpido. Deveria implorar piedade ao seu algoz e tentar fugir de alguma forma... “Como um verme”.

-Não é estúpido, é a lei da selva o mais forte prevalece sobre o mais fraco
-Sou mais inteligente do que você
-Não é não. Você é um verme
-Grande coisa. Você é um pássaro

Bom, não é preciso ser um grande gênio pra saber que ambos não somos grande coisa, mas constatar que um passaro é mais inteligente que um verme é algo óbvio.
Um passaro sabe voar: só isso já põe fim à questão. Saber voar é extremamente complicado e exige muito do praticante que tem sempre que pensar em uma série de fatores para praticar o vôo. Predadores maiores, vento, noção de espaço e de altura entre outros.

-Você não sabe de nada! O nome de sua espécie é uma forma de ofensa
-Pelo menos não ando por ai nos fios defecando nos outros
-Mas estraga frutas
-Eu as como para sobreviver assim como você quer fazer comigo

Teoricamente a fruta é maior que o verme e mesmo assim ele perde na disputa. Se é assim por que eu acho que ganharia...
Oh... O que estou dizendo... Dando ouvidos a um verme. Por que sou maior, mais forte, vôo e ponto!

O pássaro parou, refletiu e decidiu: Irei comê-lo mesmo assim

Pegou o verme pelo bico e o colocou para dentro.
Virou-se para o céu e voou para longe.

Por mais que o verme tivesse tentado e se mostrasse, como nenhum outro verme jamais se mostraria, existem coisas que mesmo parecendo estar tão próximas, como a sua tão sonhada fruta, as vezes parecem ser inatingíveis.

Prestar/dever

-Bom dia amor
-Bom dia querido
-O noticiário disse que tudo estará alagado dentro de instantes...
-Que droga

Estava sendo decretado estado de calamidade.
O prefeito da cidade foi a público e pediu para que ninguém saísse de casa, pois havia o perigo iminente de acidentes, engarrafamentos monstruosos e todo o tipo de consequências que só uma tempestade poderia trazer.

-Também acho
-Mas como eles sabem disso?
-Não sei. Acho que eles não sabem...
-Então eu vou trabalhar
-Não entendo

Que parte de o prefeito pediu para não sair de casa ela não havia entendido?
Como alguém pode gostar tanto do seu trabalho a ponto de não querer ficar com o próprio marido. Pode-se dizer que hoje é feriado e o prestar/dever dela deveria ser só a mim. Só a mim!

-Não entende o que?
-Por que você ira sair
-Por que tenho que trabalhar

Nada contra o trabalho. Até acredito na máxima de que ele dignifica o homem, mas que nós poderíamos gostar mais um pouco do outro. Quer dizer ela poderia...
No final das contas tudo sempre se resumiu ao que eu quis... Ao que eu gostava e me interessava...

-Ta bom, então vai...
-Tchau até mais...

Eu deveria levar um guarda-chuva maior para ela... Talvez acompanhá-la até o ponto... Talvez chamar um táxi... Talvez comprar um bote...

O telefone toca...

-Alô
-Alô
-É o marido?
-Sim
-Por favor, avise a sua esposa que hoje não haverá expediente devido as fortes chuvas. Obrigado

Diferenças

Andando na rua...

-Eu te amo
-...
-Ei, eu te amo
-...
-Você esta me ouvindo? Eu disse que eu...
-Eu sei
-Eu gosto muito de você
-Eu também gosto de você
-¬¬

Zander - Dialeto




Estreou esse mês na internet o novo clipe de banda Zander.
O clipe da música Dialeto faz parte do ótimo Ep "já faz algum tempo".
Se você gosta de letras fortes e rock brasileiro de qualidade vai gostar da Zander... Eu sou fã.



Coldplay - the scientist (Tradução)

Estou indo te encontrar, te dizer que eu sinto muito
Você não sabe quão adorável você é
Eu tive que encontrar você, te dizer que eu preciso de você
E te dizer que eu te deixei de lado
Me conte seus segredos e me pergunte suas dúvidas
Oh vamos voltar para o começo

Correndo em círculos, atrás de nossos rabos
Cabeças em uma ciência distante

Ninguém disse que era fácil
Oh é mesmo uma pena nós nos separarmos
Ninguém disse que era fácil
Ninguém nunca disse que seria tão difícil
Oh leve-me de volta ao começo

Eu há pouco estava adivinhando números e dígitos
Solucionando os quebra-cabeças
Questões de ciência ciência e progresso
Não falam tão alto quanto meu coração
Diga-me que me ama, volte e me assombre
Oh e eu corro para o começo

Correndo em círculos, perseguindo nossos rabos
Voltando para o que nós somos

Ninguém disse que era fácil
Oh é mesmo uma pena nós nos separarmos
Ninguém disse que era fácil
Ninguém nunca disse que seria tão difícil
Eu estou voltando para o começo

Baderna capitalista



Dia desses estava vendo o ótimo filme The Happening (traduzido para português como “Fim dos Tempos”) do diretor M. Might Shyamalan...
O filme conta, em linhas gerais, a história de uma toxina mortal que leva as pessoas a se suicidarem e que é liberada pelas plantas, em uma determinada área, como se fosse uma forma da natureza avisar aos seres humanos que o que eles estão fazendo é errado.
Tendo isso posto comecei a pensar que se um fato tão absurdo se torna-se realidade provavelmente não conseguiria atingir o seu objetivo.

Nossas vidas são impregnadas de conceitos demais para acreditarmos em algo do tipo!

Começando pela absurdidade da situação.
Quem teria a audácia de por em risco a sua credibilidade dizendo que as plantas estavam tornando aquele massacre uma realidade?
Tenho a convicção de que se o fato ocorresse somente em uma parte dos EUA, como no filme, o mundo inteiro ia achar que era um ataque terrorista.
Nossos sociólogos de plantão não acreditariam no atestado dos cientistas de que há algo maior que nos guia e achariam uma questão política para explicar o fato, o líder estadunidense diante da calamidade começaria a preparar a retaliação ao alvo apontado, a China ia querer se aproveitar da situação para assumir o primeiro lugar no capitalismo mundial e o caos estaria instalado.
Quem poderia salvar o mundo?

Com certeza não o Chapolin Colorado e muito menos o Super man...

Não há uma maneira de precaver os seres humanos do caos por que não estamos prontos para sermos alertados.
Temos dogmas demais e preferimos exaltar o luxo e a propriedade privada do que qualquer força superior que possa nos governar.
No campo as maquinas substituíram os agricultores, nossos rios sofrem com a poluição de navios petroleiros e pólos petroquímicos já viraram até paisagem em cartões postais, as cidades sofrem com os detritos que percorrem as ruas e alagam-nas fazendo dos dias de chuva um martírio enquanto a Amazônia junto com os pólos norte e sul são destruídos aos poucos.
Nossas terras estão cercadas e cada canto tem um dono, a liberdade de expressão vem sendo usada como desculpa para mostrar pornografia na TV, milhares de carros são fabricados a cada hora que passa e a pergunta que não quer calar é: Pra onde vai todo o CO2 produzido pelo mesmo petróleo que é motivo de guerra no oriente médio?

Eu tinha um bom palavrão para essa, mas prefiro não dizer...

Sejamos sinceros... O que nos importa é o materialismo, o acumulo e o pensamento individual. A histeria do mercado nos leva a valorizar a propaganda e tudo o que ela vem para pregar. Há “brainstorms” para impregnar um produto de conceitos então não seja um perdedor e sim uma pessoa cool que sabe o que quer e aonde quer: Compre!

Acabei de perceber que fugi um pouco do tema em meu delírio...

E não adianta questionar-se sobre se um dia algo do tipo “The Happining” acontecer por que a resposta é simples: Nós não perceberíamos o aviso simplesmente por que somos seres humanos e toda essa baderna nos excita.

Toda essa baderna me excita...

Mendigarias

Na rua...

-A senhora pode dar um real para um pobre mendingo?
-Eu não tenho moço.
-Por favor me ajude.
-Ok.
-Eu sabia que a senhora tinha um coração bom.
-Pegue esse biscoito.

Cinco segundos depois o mendigo grita...

-Eu pedi um real e não um biscoito sua maluca!

Kriptonita

Queria dizer palavras bonitas
Mas elas se esgotaram
Queria ter uma maquina do tempo
Mas os cientistas priorizam as dores físicas

Queria ser um rockstar
Mas se tivesse sido um jamais teria a conhecido
Queria conjugar meus verbos no presente
Mas é algo insubstituível

Gostaria de ser egoísta
Mas sou totalmente altruísta
Gostaria de ser mais feliz
Mas se você já é me basta

Gostaria de um dia ser jornalista
Mas serei sempre a estrada
Gostaria de ser uma mistura de Amarante e Roland
Mas nunca poderei compor um último romance

Queria não ir embora...
Mas não posso mais vê-la tanto
Queria ser forte o suficiente
Mas já viu as minhas lagrimas mais de uma vez

Acredito numa força superior
Que me deu meu maior presente
Para pensar e lembrar por toda a minha vida
Com uma única condição: A não presença pela maior parte

Queria não escrever isso
Só parando frente a você e dizendo três simples palavras
Para sempre
Mas...

Como dizem na china: Não basta escolher. você tem que ser escolhido...


Isso soou tão idiota depois de escrito

Feliz aniversário

Na festa...

-Parabéns!
-Obrigado
-A festa esta ótima
-Também gostei e ainda mais surpresa...
-E então quantos anos você esta fazendo?
-Cinquenta
-Esta com corpinho de quarenta e nove ein...
-¬¬

O rato e a cientista













A cientista estava sentada em frente à lareira com um copo de vinho numa das mãos. Enquanto girava vagarosamente o liquido, dentro do recipiente de vidro, resolveu subir repentinamente para o sótão da casa.
Entrou e acendeu a luz do laboratório que não visitava fazia meses.
Tudo ainda estava no mesmo lugar e no canto do cômodo dentro de uma jaula o rato se pôs de pé logo estampando um sorriso no focinho.

-O que você esta fazendo?
-Vim visitá-lo pela última vez
-Por que?
-Não farei mais experiências aqui com você
-Por que!?
-Conheci um cara no trabalho e vou sair com ele, não tenho mais tempo para ratos... Adeus...

A cientista sai e deixa o rato vê-la dando as costas. O bichano logo se senta e depois de algum tempo abre a própria jaula, como a cientista nunca soube que ele fazia, pega uma boa quantidade de ração e se trancafia de novo.
Tinha criado com o tempo um amor incondicional e inexplicável por aquela que lhe dava drogas estranhas e fazia bizarras experiências.
Meses se passaram até o dia em que o rato estava deitado, em mais uma hora de puro ócio pensado na cientista, quando ele ouve passos na escada.
Não se iludiu: Provavelmente a cientista deveria ter comprado um gato que estava descendo as escadas para dar parte, de uma vez por todas, a sua vida quando a luz se acendeu.
Era ela: a cientista.
Abriu a porta e deu aquele sorriso que só ela sabia dar... Um em que balançava levemente a cabeça e a posicionava meio de lado deixando assim a maior parte do seu rosto a mostra, já que a outra era meio encoberta pelo cabelo jogado normalmente para um único lado que tinha um cacho maior que os outros.
Pegou o rato pela pata segurou em sua cintura e disse que sentia saudades...
O rato se abriu e disse que passaria a vida inteira correndo na roda que havia em sua jaula só para ver um sorriso no rosto da cientista. Estava disposto a perder todo o seu pêlo em experiências e ter problemas de saúde sérios só para vê-la todo dia.

-O que você quer é isso? (perguntou o rato)
-Eu não sei o que quero...

O rato respirou fundo e disparou para a cientista: Não quero que você se sinta mal e faria qualquer coisa para vê-la feliz, mas você que tem que decidir e estou disposto a aceitar essa decisão seja ela a meu favor ou não. A minha felicidade é saber que você esta bem fazendo o que você gosta com quem você ama.

-Acho que dei remédios demais pra você
-Por que?
-Você é gentil demais para um rato...(risos)
-(risos) Eu só quero que você seja feliz, seja nesse laboratório ou seja lá fora no mundo real, mas pense e se você quiser eu estarei sempre aqui esperando por você passe o tempo que passar

O rato e a cientista conversaram por um longo tempo até que ela foi embora desejando um bom final de semana para o roedor e mostrando a ele um botão em sua jaula onde ele sempre poderia apertar para saber se ela estava bem.
Os dias que se passaram foram lentos e o rato apertava todos os dias o botão sendo sempre correspondido pela cientista, que o respondia logo depois, até que quando a semana voltou ao seu inicio ela não apareceu.
O rato enlouqueceu.
Apertava o botão freneticamente e ninguém o respondia... Saiu da sua Jaula e fez algo que nunca tinha feito em toda a sua vida: saiu do sótão. Destrancou a jaula, desceu as escadas e passou por baixo da porta trancada até chegar no meio da sala da cientista.
Procurou em cada cômodo, mas não a achou. Finalmente chegou ao quarto, que era o último que faltava, passou pela porta e não viu ninguém.
Sentiu o cheiro característico da cientista e resolveu subir na cama quando viu uma serie de fotos jogadas sobre o criado mudo. Eram as fotos do final de semana da cientista que a mostrava de mãos dadas e sorrindo ao lado do colega de trabalho...

No dia seguinte...

-Olá rato! Rato?
-Olá
-Esta triste...
-Vi suas fotos no criado mudo...
-Você não deveria ter ido lá...
-Desculpe
-Não se desculpe
-ok
-Sò quero que saiba que fiz minha decisão. Não me culpe por isso...
-Não estou. Vá e seja feliz... Só me deixe aqui com o maior número de remédios possíveis
-Se é isso que você quer...
-No momento é a única coisa que posso querer, não tenho quem mais amo por que ela ama outro alguém e o pior é que posso aceitar isso, mas vendo você não sei se conseguirei, pois chegará um dia em que não vou aguentar e não poderei me responsabilizar por qualquer besteira que eu fizer. O fato é que queria que a sua escolha tivesse sido outra.
-Não sei o que dizer...
-Não diga só seja muito feliz, deixe os remédios e apague a luz por favor.

Zander



www.zanderblues.com

Contradições

Na rua...

-Não sei como você, um jornalista, consegue ver Big Brother
-Eu gosto
-Tudo ali é mentira, lixo, coisa de gente que não tem o que fazer
-Você nunca parou pra ver então
-Claro. Aquilo é uma descarga mental, só tem ator e atriz
-Sei... Ator e atriz...
-Ah por falar nisso você viu como a novela das oito esta boa?
- ¬¬

Incondicional

Raoni deitado na cama lembrava da euforia que o atingia antes ao vê-la... Ainda hoje é assim, mas não é a mesma coisa.
Hoje ele não é mais o mesmo, pois conhecê-la mudou a sua vida... Se sente idiota pelo que se propõe a fazer para ficar uns minutos a mais ao seu lado ou ouvindo a sua voz. Relembra cada palavra depois de encontrá-la pensando em frases bonitas, que expressariam melhor o seu afeto, mas depois percebe que talvez tenha sido melhor elas não serem ditas.
Palavras sinceras não podem ser ditas sem propósito e é isso que as suas não tem a destreza de fazer... São jogadas, tolas e inconseqüentes pela falta de objetivo em acreditar numa reciprocidade que palavras não podem trazer.
Sua flor favorita não traria...
De repente Raoni deveria ser como ela que tem em sua cor vivida e forte as razões que atraem a atenção, mas que é sincera o suficiente pra saber quando o seu giro não é mais interessante e começa a murchar e sumir com o tempo. Claro que as cores não são tão belas para ele, mas Raoni tem anos o suficiente pra saber que o pensamento iluminista não é o seu forte. Se agisse com a razão sua história nem estaria sendo contada aqui.
A antítese de quanto menos tenta vê-la mais quer ter sua presença é tão contraditória quanto os anos que estariam por vir e seriam melhores se talvez fossem passados distantes. Nunca a relação de perto e distante e distante perto foi tão relativa.
Os pensamentos dele parecem clichê?
Provavelmente...
Ninguém quer saber, no final das contas, se Raoni ama alguém e ele nem deveria dizer isso... Eu te amo é uma frase feia no contexto da situação em que ele se encontra.
É como já lhe disseram: “entre bilhões de pessoas nesse mundo não é possível que não exista mais ninguém!”.
É nisso em que ele se apóia.
Talvez seja o único pensamento que o mantenha de pé: O mundo.
Nesse planeta tomado pelo capitalismo e em que os lideres mundiais disseram, na conferencia de Copenhage, que a economia é mais importante que o futuro da terra, ainda existe algo que nada pode comprar.
É como diz na letra da última musica postada nesse blog, que tem frases auto-explicativas: “...eu serei a improbabilidade dos fatos,
o quase zero de possibilidade...”
“...eu serei o mesmo erro que se comete pela centésima vez,
eu serei o sentimento de impotência diante do espelho...”
Raoni acha que talvez o mundo gire como a flor favorita dela e traga novas possibilidades ou até impossibilidades, mas que sejam presentes para um dia dizer verdadeiramente para ele mesmo: Você era pra mim algo insubstituível.

Matutando