Quatro patas




Não sou um grande fã de animais. Sinceramente acho que eles dão muito trabalho, mas venho tendo cachorros há tanto tempo que não me imagino sem o meu.
Gosto especificamente dos labradores, pois o primeiro cão que realmente gostei era dessa raça e após a sua morte senti tanta falta que tive de conseguir outro da mesma cor e raça.
O engraçado é que o Yan (nome do meu atual cachorro) tem algumas particularidades muito interessantes. Desde que ele chegou a minha casa, com uns dois meses de vida, teve de conviver com um Cocker que apesar de na época ter mais ou menos o tamanho dele agora tem umas quatro vezes o seu peso.
O interessante disso é que como o criamos solto em casa ele perdeu um pouco da noção de seu tamanho, que acho ser, devido à convivência com o Cocker.
É estranho ver ele todo desengonçado andando pela casa com sua calda balançando que nos priva de gestos simples como deixar um copo na mesinha de centro. Ele seria sumariamente arremessado pelo Yan há uma distancia considerável com sua calda balançante.
Agora com cinco anos de idade ele tem uma noção maior de seu porte, mas quando ele tinha uns dois deixava um rastro de destruição por onde passava. Perdi as contas de quantos copos e pratos foram derrubados e de quantos alimentos perdemos por deixar a geladeira aberta que foram parar na pança do Yan.
Uma história que é lenda na família Oliveira até hoje ocorreu quando certa vez o Yan pegou um Chester inteiro, que estava em cima da mesa para o natal e passou como se nada estivesse acontecendo, na sala com a sua refeição na boca. Sentou no quintal colocou o chester entre as duas patas dianteiras e ficou olhando para o cômodo lotado com a cara mais sínica do mundo.
Naquele dia eu acho que se não tivesse segurado o braço de minha mãe ela teria atirado a faca de cortar o peru nele.
Apesar de tudo ele é um ótimo cachorro e gosto de sair na rua com ele.
Na verdade as pessoas dizem que ele que me leva para passear devido a sua força ao me arrastar pelos quatro cantos do bairro...

2 comentários:

Tamyris Torres | 4 de maio de 2009 08:18
Este comentário foi removido pelo autor.
Camilla Azuos | 5 de maio de 2009 17:59

Ahhh... esse lindinho aí na foto é o Yan?

Olha já tive um pit bull chamado Yank!
Era um babaca..
só que era meio estressadinho. rs
Minha poddle, a Teka era tão braba que latia até pra própria sombra.
Agora vc vê as contradições rs.
Mas ameeei o Yan sem ao menos conhece-lo.
AMO cachorro !