Pequeno grande lucro




Tamára era uma daquelas garotas que adorava musica.
Gostava tanto que não eram raros os momentos em que ela se pegava cantarolando alto, uma mais agitada, ou balançando a sua cabeça com movimentos bruscos demais, mas quem podia recriminar um garota de seis anos.
Não costumava prestar muita atenção ao que acontecia a sua volta, quando retornava da escola, a não ser no intervalo entre as musicas de seu mp3. E foi entre O velho e o moço dos Los Hermanos e 11 AM do Incubus que ela notou uma folha, meio amarelada, na esquina de casa que chamou mais atenção do que a musica seguinte.
Lia-se nas extremidades superiores de cada lado: Karl Marx – O Capital.
Tamára não resistiu e logo que chegou em casa se sentou para ler a tal página que marcava os números 157 e 158 do livro.
Acreditava em coincidências, nada acontece por acaso (MAKTUB), então começou a colocar em prática aquilo que tinha lido. Juntou meia dúzia de amigos e depois de pedir para que cada um fizesse a dobra de um aviãozinho de papel fez a proposta:

-Agora quem quer jogar o aviãozinho?
-Eu
-Eu
-Eu...
-Certo quem quiser jogar terá que me pagar dois reais.

Riso geral

-Como não. Se vocês não me pagarem estarão desprezando a própria força de trabalho empregada nesse objeto, ou seja, não pagando nada vocês estão dizendo que não servem para nada.

Os garotos se assustaram com a possibilidade da própria inutilidade estar tão próxima e pagaram

Depois de um mês Tamára tinha um quarto abarrotado dos mais variados tipos de chocolate e uma coleção de cd’s consideravelmente grande.
Os vizinhos começaram a indagar e a pressionar os filhos até saber como a mesada daquele mês havia acabado tão rápido. Por fim chegaram a uma conclusão e descobriram a traquinagem da menina.

Contar a mãe da pequena capitalista foi à primeira atitude

-Tamára os vizinhos estão reclamando dizendo que você esta levando o dinheiro dos filhos deles.
-É um negocio justo mãe.
-Um avião de papel por dois reais não é justo Tamára!
-Mãe o nome disso é mais-valia.

A mãe formada em sociologia ficou impressionada. Como ela sabia daquilo?

-Como você sabe disso garota?!

Foi ai que ela descobriu a tal página.
Nela Karl Marx explicava justamente como o trabalho empregado em algum objeto eleva o lucro do capitalista pelo valor da força colocada na confecção do produto.

-Filha se você tivesse lido o resto do livro perceberia que isso só gera desigualdade.
-Como assim?
-Você ganhará mais, porém as custas de que? Uma sociedade igualitária só se faz com razão e o abismo social que você vai causar definitivamente não é uma boa saída.
-Não vou deixar de ganhar os meus chocolates!
-Ok. Não posso obrigar a maior potência do mundo a ver isso, mas a você sim. Devolve se não vai levar uma chinelada!
-Não!

Crack ploft paft

-Tá bom eu devolvo... Já entendi!!!

0 comentários: