Estive em metade dos lugares em que sempre quis estar

Bem eu acho que já andei por lugares demais
Por todo estado passei e talvez tenha visto mais do que sou capaz
Essa canção não é para as estradas do oeste
As mesmas que cruzei sem me preocupar com o que viesse

O que eu quero dizer é
Estive em metade dos lugares em que sempre quis estar
Por mais que cada curva me traga algo novo
Trocaria tudo pela esperança de ouvir sua voz e ver seu rosto

Eu vi um castelo grafitado
E cidadãos desesperados
Se nada é para sempre
Por que meu sentimento não deixa de ser

Se esse lugar esta tão cheio
Não deveria me parecer tão vazio
Se minha cabeça vive em todos esses rodeios
Deveria mostrar sempre o mesmo sonho?

Eu preferiria estar ao seu lado
E sentir aquele antigo cheiro familiar
De algo em que acreditei
E que preferiu esquecer

Não vou tirar fotos...
Falta um rosto ao meu lado
Só tenho uma última pergunta então:
Você sente o mesmo que eu ou é só o meu coração?

1 comentários:

Camilla Azuos | 1 de outubro de 2011 09:13

A gente sofre, é inevitável. Não adianta ler poema, poesia hipócrita, testo adolescente ou música melosa. Sempre que amamos mais, menos retorno temos.
E vai ser assim sempre, até o fim dos dias... ACOSTUME-SE.
E não adianta eu falar pro personagem parar de pensar nela, e começar a tirar fotos de si mesmo no espelho, porque ele vai continuar achando que 'aquele' sorriso vai estar faltando.
Mas senti que aí acontece a mesma coisa que acontece comigo: nossa inspiração mais bela, é a dor.
Triste né? "A solidão até que me c ai bem".