O resto é boato...



Existia uma certa turma, uma certa garota e um certo gordão...
Eu era daqueles caras que andava com a turma dos menos populares, não por obrigação mais por escolha, eu era um adolescente no primeiro ano do segundo grau, eu era magro, tinha uma altura mediana e o cabelo bagunçado...
Nunca fui de ficar caçoando dos outros, mais quem não caçoava Jonas?
Ele era tudo aquilo que um jovem no segundo grau poderia ser para virar alvo de chacota: tinha um metro e setenta, olhos esbugalhados e uma massa corporal assustadora, ou seja, ele era um gigante, um gordão.
Jonas talvez pensasse que aquilo fosse uma prova, e que depois de tudo iria seguir aquela provável máxima do segundo grau de que daqui a alguns anos se tornaria um empresário de sucesso e teria toda a mulher e dinheiro que quisesse. Eles devem ter feito tanta falta a ele nessa época, pois quem, naquele maldito colégio, era mais inteligente que ele? É isso! Talvez essa fosse a sua prova para ser alguém bem sucedido, ou não...
Nunca tive problemas maiores com as brincadeiras com Jonas, a não ser quando a brincadeira partia para o seu amor, mais ou menos secreto, por Roxane. Não o culpava, ela era linda, mas não de um jeito comum. Era baixa, tinha cabelos encaracolados, um rosto redondo e o jeitinho mais lindo do mundo, ela era daquelas garotas que todos gostavam. Afinal de contas não tinha como ser diferente.
Nós cantávamos perto dele, às vezes no intervalo, às vezes na saída, aquela musica do The Police que conta a história de uma prostituta com o mesmo nome que o dela.
A cada verso Jonas ficava mais vermelho, e ficávamos comparando o seu rosto com a metade de uma melancia. Mais naquele dia aconteceu algo diferente, algo que Jonas nunca tinha feito, ele se virou e caminhou em nossa direção. Aturdidos nós só conseguíamos ver a coisa gigantesca vindo em nossa direção, e ao chegar a dois passos do nosso grupo ele se virou para mim (talvez por ser o menor e mais magro do grupo) e disse aos berros: Hoje, briga, eu e você, no estacionamento, não tente fugir!
As palavras de Jonas ressoavam na minha cabeça, eu tinha mais dois tempos de aula até ele me encontrar no estacionamento para me esmurrar até a morte. Já podia ver as capas do jornal no dia seguinte: O Globo: Mais uma vitima do bullying nas escolas! – O dia: Garoto assassinado em colégio – Meia Hora: Morreu de chacota.
Meus amigos disseram para eu avisar o inspetor, a professora, a diretora, o Papa... Eu não podia era deixar aquela coisa bater em mim.
12:10 - hora da saída, sai da sala correndo disposto a pedir ajuda ao inspetor que ficava numa cabine pouco antes da entrada no estacionamento e da saída do colégio.
12:12 – Percebo duas coisas: o inspetor não esta lá e Jonas esta vindo correndo a passos largos logo atrás de mim derrubando os amigos que me seguiam um a um. Ele finalmente me alcança quando eu estava descendo a escada, que dá acesso ao estacionamento, com um soco do qual me desvio, com um reflexo que nunca tive com um pulo para o lado.
Percebo ao me levantar que Jonas esta agora na minha frente pronto para desferir outro soco. E ele me acerta em cheio uma, duas, três vezes. Começo a ficar extremamente zonzo, quando ouço uma voz inconfundível dizendo: PARE JONAS!
Era Roxane, linda com um vestido florido (de Maria mijona, segundo ela) pedindo para Jonas parar. Jonas hesitou, por um momento ele hesitou ao ouvir a voz de Roxane, por um pequeno momento... mais foi o bastante para eu acertar um soco em seu estômago e num piscar de olhos estar agarrado às costas do gigante esmurrando a sua nuca...
Bem, depois disso uns dizem que eu venci por acabar a briga esmurrando o seu corpanzil quando o inspetor chegou, outros que Jonas venceu, pois a partir daquele dia ele ganhou o respeito de toda a escola acabando com as zoações.
O resto é boato...

3 comentários:

Tamyris Torres | 25 de novembro de 2008 02:48

Você está a cada dia melhor nesse negócio de contos...e o meu blog só com uma postagem huhuhu

Comunicação Jovial | 25 de novembro de 2008 09:19

Hahaha.
Que isso meu filho!
De onde vc trás essa inspiração? rsrs.
Muito bom mesmo PH.
Estou surpresa com tamanha criatividade.

brUno PeReiR@ | 7 de dezembro de 2008 10:50

Garai, maluco tu tá escrevendo pacas, hein?
Tá muito bom... Prazerzão te ler.. Abç!