Costumes

A vida é mesmo estranha... Nada mais é para sempre.
Hoje percebi que sou diferente. Impar e na verdade muito mais do que eu esperava, pois conheço pessoas que não existem mais.
Pessoas por quem você se apaixona um dia, tem momentos muito especiais e são capazes de mudar em poucas semanas, sem nenhum motivo aparente, transformando-se exatamente naquilo que vocês dois mais criticavam juntos.
As pessoas se acostumam com a vida que tem e não tem forças pra mudar o que vivem.
Acostumamos-nos e isso traz felicidade, mas qual o preço disso?
Perder e parar de ver quem mais gosta de nós, dizer palavras duras e agressivas que machucam e com isso conseguir que uma pessoa que nos amava passe a tentar esquecer.
Onde foi parar a pessoa divertida, apaixonante e cheia de vontade que conheci meses atrás?
Desapareceu.
Sumiu da mesma maneira rápida, forte, intrigante e inevitável que entrou em minha vida.
Não vou negar que cada vez que a vir sentirei meu coração bater mais rápido, pensarei na pessoa que conheci, em tudo o que vivemos e na, pelo menos, grande amizade que poderíamos ter juntos.
Nada mais existe por que escolheu não me ter mais por perto.
Minhas lembranças de suas palavras, nas últimas ligações, não são da pessoa doce por quem me apaixonei e sim de uma critica, que despreza meu modo de viver e é incapaz de separar uma hora da sua vida para me ver mais uma vez.
Por que as pessoas mudam e por que acho essas mudanças tão negativas enquanto elas parecem felizes...
Peço perdão, pois se isso se chama felicidade continuarei o mesmo para sempre.
Não tenho vergonha de priorizar quem gosta de mim e principalmente, acima de qualquer coisa, mesmo com minha vida totalmente lotada de afazeres tenho tempo para todos que amo.
Um brinde a quem não quer mudar como eu e sabe que a única coisa que importa na vida é o seu relacionamento com quem gosta de você.
Nunca se acostume! Só se conforme com que faz você e quem te ama feliz.

1 comentários:

Camilla Azuos | 30 de julho de 2011 20:38

Venho passado por isso. O ser humano é tão cômodo que detesta mudanças. Infelizmente somos assim.
As pessoas não mudam, elas se moldam.
No auge do amor, somos igual tratores. A prioridade é essa, não se meta na minha frente ou passo por cima.
Mas depois que o calor some, e dá lugar a monotonia, a rotina, as coisas voltam ao normal. Você mostra a cara que sempre teve, e não a que moldou para agradar o parceiro que quando vc via, sentia borboletas no estômago. Isso acontece até quando vc vê o nome da pessoa no display do celular.
Quando tudo esfria, a verdade aparece.
Tenho passado por isso, só Deus sabe oq venho passando. Mas a vida é assim, quando não há mais interesse, as pessoas são descartadas como tampinha de refrigerante. It happens.
Fica bem aí que eu fico bem aqui.