Inverdades



Durante muito tempo me disseram que se eu realmente quisesse ficar rico teria que montar o meu próprio negócio. Ninguém, eu disse ninguém, realmente ganha dinheiro sendo empregado.
Pensei muito para escolher um bom nicho, do concorrido mercado de trabalho, em que pudesse atuar. Decidi ser um vendedor e montar minha pequena empresa de mentiras. Aliás, mentiras não, o nome certo são inverdades. Esteticamente é uma palavra muito mais bonita e guarda o seu verdadeiro significado num singelo e pequeno prefixo.
A inverdade é uma técnica que poucos dominam com destreza, eu particularmente tinha alguma habilidade, e por isso vou contar aqui como a minha empresa foi ganhando, pouco a pouco, o seu espaço até ser uma das maiores do mundo.
No inicio eu tinha o hábito de, frequentemente, entrar em salas de bate-papo na internet para treinar minha habilidade. Começava com um nome feminino, que tem uma adesão maior ainda se for diminuído para um apelido como Dani, Bia ou Lu, e com uma cor forte como o preto. A abordagem era sempre melhor compreendida, e aceita com muito mais facilidade. A pessoa que se embrenha pelo estranho mundo dos chats na internet é sempre alguém que tem algum tipo de necessidade para ser atendida, e se você souber levar bem a conversa ela sempre acaba contando o ponto fraco.
A Inverdades cresceu muito pela sua alta popularidade na internet principalmente. Nossos clientes sempre souberam de nossa política de discrição e sempre tinham na nossa empresa total confiança (que contradição), pois se a mentira tem perna curta, a inverdades usa pernas de pau.
Esse é o trabalho cauteloso que, as vezes, tem um preço alto (mais também que se dane, estamos num mundo capitalista ora bolas). Quem você acha que deu suporte para os cidadãos americanos pedirem empréstimos, e para as financiadoras autorizarem todos causando uma das maiores crises econômicas que o mundo já viu?
A única empresa que cresceu vertiginosamente nos últimos meses foi a Inverdades, e isso não foi por acaso.
Vivemos num mundo de inverdades, seja ela cometida por um político, que não recebeu a nossa consultoria (lógico), ou por um filme de super-herói onde até ele, que é o salvador do dia, tem que esconder a sua verdadeira identidade.
Aliás, como você sabe se tudo o que eu escrevi até agora é verdade ou inverdade, como você sabe se tudo isso aqui não é uma dissidência do mundo real e estamos na Matrix?
Como você sabe se toda essa baboseira não é só mais uma postagem louca de alguém que não tem mais o que fazer?
E afinal de contas quem nunca contou uma inverdadezinha?
Ein...

PS: Essa ultima pergunta é ótima, vou usá-la como argumento de defesa no próximo processo contra a minha empresa.

4 comentários:

diego(o john) | 14 de dezembro de 2008 08:10

Quem nunca contou uma? =P

Thaissa | 14 de dezembro de 2008 19:22

ah passa também ? que bom então !
hehe , boa sorte . Beijo

Kamilli Aguiar | 16 de dezembro de 2008 09:58

Pois é, concordo com o Diogo...quem nunca contou, hein, hein?? Faz o seguinte, entra de sócio com o Rodrigo na Seventy-one corporation que vc vai fazer sucesso! Valeu!

brUno PeReiR@ | 21 de dezembro de 2008 07:27

pois se a mentira tem perna curta, a inverdades usa pernas de pau.
Eu ri...


http://palanquinho.wordpress.com